segunda-feira, 18 de fevereiro de 2008

domingo, 17 de fevereiro de 2008

CULTURA MUÇULMANA - O ALCORÃO - III


---- Como já tive oportunidade de dizer, o Islão propagou-se muito para além da área em que iniciou a conquista, algumas das vezes através de contactos pacíficos. Por esses meios, o Islão tornou-se a religião predominante de muitas outras regiões do Mundo Antigo, incluindo-se, entre estas, a que é hoje a Turquia, juntamente com algumas áreas substânciais da África e da Ásia Central, do Sul e do Sudeste. Hoje em dia há tambem populações muçulmanas significativas de variadíssimas origens étnicas, em todos os principais países ocidentais, incluíndo a Grã Bretanha e os Estados Unidos. Ao entrarmos no século XXI, o número total de muçulmanos no mundo ascenderá a pouco mais de um bilião, representando assim cerca de 1/5 da população mundial. Para todas as comunidades muçulmanas, não importa onde vivam ou a língua que falem, o Alcorão representa a sua Escritura.
----Dissecando a mensagem do ALCORÃO, vamos começar por falar da Fatha.
---- A maneira mais óbvia para se saber aquilo de que trata um livro, será vêr o seu começo. Pois o Alcorão começa precisamente deste modo:
---- "Em nome de Deus, o Clemente, o Misericordioso. Louvado seja Deus, Senhor do Universo, o Clemente, o Misericordioso, Soberano do Dia do Juízo. Só a Ti adoramos e só de Ti imploramos ajuda! Guia-nos à senda certa, à senda dos que agraciaste, não à dos abominados, nem à dos extraviados" (Q1:1-7)
---- Esta passagem é a primeira sura, ou capítulo, do Alcorão, que é, geralmente, conhecida por Fatha, ou "introdução". É assim que, como qualquer introdução abreviada, não nos revela grande coisa, diremos, mas sempre nos dá uma ideia antecipada daquilo que se irá seguir. Dá-nos a conhecer, de forma categórica, a existência de um Deus único, mas de duas espécies de pessoas, revelando-nos ainda diversas coisas acerca destes individuos e das relações assimétricas entre eles.
---- A Fatha principia com Deus (Allah), e Ele tem um papel dominante em toda a passagem. Uma vez que ele é "o Senhor de Todo o Ser" - ou seja, em termos literários, "o Senhor do Mundo" - Ele é, obviamente, um Deus à escala cósmica. Poderia aqui pensar-se que um tal Deus se situaria num plano demasiado elevado para se preocupar com os simples seres humanos, mas o facto é que esta probabilidade é completamente errada. Deus relaciona-se fortemente com a humanidade, se bem que por dois caminhos não éticamente distintos. É descrito, por duas vezes, como "beneficiente e misericordioso", o que se ajusta a que Ele seja alguém para quem as pessoas olhem em busca de auxílio e orientação. Mas parece que Ele é também dado à colera - falando com rigor, o trecho refere-se apenas àqueles "que incorrem na Tua cólera", sem mencionar que é Deus que está irado - mas nunca ninguém teve dúvidas de que a cólera em questão é a cólera de Deus.
---- Voltando aos dois tipos de pessoas que aparecem na Fatha, as primeiras a ser mencionadas são aquelas que Deus abençoou; são as que estão no Bom Caminho, e não oferece dúvida que serão essas que podem esperar receber auxílio. No segundo tipo, estão aquelas com quem Deus está zangado e que se extraviaram. Certamente que estes grupos estão mesmo separados, não haverá dúvidas. Só há um caminho a percorrer, que é abençoado por Deus; o resto, deduz-se, é um deserto, e para alguém que se perca nele equivalerá a ser o destinatário da Sua ira.
----Irei voltar a este tema.

NO MUNDO ASSIM...

NO MUNDO  ASSIM...
era bom viver nesta terra... bonita!