sexta-feira, 28 de março de 2008

A DESCOLONIZAÇÃO...O QUE FOI? - I

Imagens da descolonização... sem comentários!

* Tantos anos após, ainda sinto dificuldades em enfrentar o tema DESCOLONIZAÇÃO, porque as imagens que ficaram na retina de muitos Portugueses são deveras angustiantes. No entanto, sinto haver chegado o momento de começar a tentar compreender o que foi esse momento da nossa história, valendo-me, para tanto, do muito que foi escrito sobre o assunto e daquilo que me foi relatado pelos amigos que sofreram na carne tal tormento .

* Certamente haverá muita gente que pensará ter o Partido Comunista recebido instruções para conquistar o poder em Portugal, visando iniciar um processo de descolonização, que era expressamente pedido por Moscovo. Aquilo que realmente acontecia era bastante mais complexo que isso, sendo necessário ter-se uma visão global sobre a situação internacional, para que se possa compreender a realidade das coisas. A descolonização processou-se de forma assaz "confusa", mas ela foi o reflexo daquilo que se poderia entender como resultante de uma nocção fundamental: OS GRANDES CENTROS MUNDIAIS DE DECISÃO SOBRE ÁFRICA ORDENARAM A DESCOLONIZAÇÃO... E A PORTUGAL APENAS LHE FOI PERMITIDO OBEDECER!

* Começa no estudo feito pelos Estados Unidos, após o trauma dos desaires do Vietnam, que levou a que se fizesse uma volta estratégica de 180º em relação à União Soviética. Essa solução foi decidida numa célebre reunião no Pentágono que durou 3 semanas. Aí se concluíu que a distância do teatro de operações foi determinante, mesmo considerando a eficiência da aviação americana ou o transporte de todo o tipo de mercadorias para abastecimento às tropas americanas, tornou-se insuportável para os EUA em termos de custos, pois o equilíbrio interno começara a ressentir-se pelo facto de os Estados Unidos não aplicarem, normalmente, mais de 10 a 12% do seu PIB para as missões no exterior. Some-se a tudo isto a resistência encontrada no teatro de operações e estará explicado o desinteresse dos EUA em teatros de operações politicamente desfavoráveis, dada a experiência adquirida.

* Começa, então, a interessar aos EUA "empurrar" a URSS para situações semelhantes àquelas vividas pelos americanos no Vietnam, na esperança de que viessem a encontrar dificuldades e que viesse também a falhar. Decidem-se pelo abandono de Angola e Moçambique, deixando estes territórios à mercê da União Soviética. Acabaram por os conseguir empurrar para lá... e aqui os Estados Unidos esfregaram as mãos de contente, pois pretendiam a entrega de Angola e Moçambique a Movimentos Marxistas, pró-Soviéticos, que deveriam ser ajudados por Moscovo, pois assim estes também teriam uma logística demorada, causada pela enorme distância entre Moscovo e Luanda ou Lourenço Marques.

* Esta estratégia não seria prejudicial à ajuda que os Estados Unidos já prestavam à FNLA do Senhor Holden Roberto desde o início dos anos 60, mais concretamente após os massacres da UPA contra Portugueses brancos e negros, no Norte de Angola, em 15 de Março de 1961. Foram, neste acto "heróico" dos terroristas da UPA, trucidadas entre 7 e 8.000 pessoas, europeias e africanas. Três dias após esta carnificina, o responsável por este genocídio partiu para Washington, onde foi recebido, na Casa Branca, pelo energúmeno que tinha as funções de Presidente dos EUA: John Kennedy. Que o demónio o tenha nas profundezas do inferno, pois não passava de mais um terrorista encapotado.

* Ainda por cima, o terrorista Holden era protegido da senhora Eleanor Roosevelt e do American Commitee on África. Mas os Estados Unidos não tiveram retorno do que gastaram com a FNLA. Em 1975, com Angola já entregue ao poderio do MPLA, o Senado Norte Americano fechou as torneiras e a FNLA e a UNITA viram a fonte secar.

* Os Estados Unidos ajudaram a matar homens, mulheres e crianças inocentes, num genocídio de milhares de pessoas, sem se importarem com o facto de que Portugal era um parceiro na NATO... nem sequer invocaram o facto de estar alguém a agir contra os direitos humanos... PORQUE ESSE ALGUÉM ERAM ELES PRÓPRIOS! - Continua

NO MUNDO ASSIM...

NO MUNDO  ASSIM...
era bom viver nesta terra... bonita!