quarta-feira, 2 de julho de 2008

O AZULEJO NA ARTE... I

Painel de azulejos "LISBOA policromada)"*
* Desde há cinco séculos que a azulejaria ocupa uma posição de relevo entre as artes decorativas portuguesas e, apesar de ao longo da sua história ter sofrido múltiplas influências, desenvolveu em Portugal características específicas entre as quais merecem destaque a riqueza cromática, a monumentalidade, o sentido cenográfico e a integração na arquitectura.Foi durante a ocupação árabe da Península que os povos ibéricos tomaram contacto com a cerâmica mural.
* Este termo "azulejo" deriva, aliás, de uma palavra árabe (al zulej) que significa pedra lisa e polida. Até finais do século XV, os artífices andaluzes produziram grandes placas de barro cobertas de vidrado colorido uniforme que, uma vez cozidas, cortavam em fragmentos geométricos que eram depois recombinados em belos desenhos decorativos. Este processo, conhecido pelo nome de “alicatado”, porque envolvia a utilização de um alicate, era moroso e difícil além de exigir que o artífice acompanhasse a encomenda até ao local da sua aplicação. A impossibilidade de exportar o produto já acabado constituía uma limitação importante e, talvez por isso, os exemplares existentes em Portugal sejam escassos. Os mais célebres são os do Palácio de Sintra (Capela e quarto onde esteve preso D. Afonso VI).
* A origem deste revestimento cerâmico encontra-se na Mesopotâmia, onde cedo veio a adquirir um grande destaque: No século VI a.C. as portas da Babilónia eram decoradas com placas azulejadas. Esta arte desenvolveu-se na Pérsia, nos séculos XIII e XIV, sendo muitos os exemplos no mundo árabe, já durante a Idade Média, em que as paredes interiores e exteriores dos edifícios apresentavam azulejos.
* O revestimento de pavimentos com placas cerâmicas em edifícios românicos religiosos foi muito apreciado, mesmo na Europa do Norte. Em Portugal há notáveis exemplares do século XIII, no Mosteiro de Alcobaça, encontrando-se elementos do século XIV na Sé Patriarcal de Lisboa.

segunda-feira, 30 de junho de 2008

HISTÓRIAS QUE A HISTÓRIA ESCONDE... II

Rainha Dona Teresa (ou Tareja)
* O dia 24 de Junho de 1128 é uma data provável mas, querendo ser mais rigoroso, poderá dizer-se que terá acontecido... até ao dia 3 de Agosto, porque no documento de doação do couto do Mosteiro do Pedroso, é declarado o infante Afonso como o princípe de todo o Portugal.
* Vitória das forças aglutinadas da nobreza portucalense em torno de D.Afonso Henriques, contra as de Fernão Peres de Trava, Rainha D. Teresa, - amante de D. Fernão, como já havia sido do irmão deste, Bemudo Peres de Trava - e do arcebispo de Compostela D. Diego Gelmirez, que pretendia impor o primado de Compostela sobre o de Braga.
* Contrariamente ao dito popular do "filho que bate na mãe", foram os cavaleiros fiéis a D.Teresa, vindos de Coimbra e de Viseu, que se dirigiram a Guimarães, para submeter D.Afonso Henriques.
* A batalha campal deu-se, portanto, perto daquele castelo. Dela resultou a substituição dos detentores do poder no Condado, que escolheram o infante Afonso para seu chefe, recusando-se a aceitar a política que proclamava a constituição de um reino que englobasse a Galiza e Portugal. Pode pois considerar-se S. Mamede como a primeira pedra lançada para se edificar a independência de Portugal.
* Há uma tese, condenatória do jovem infante, pela sua atitude para com a mãe, após a Batalha de S. Mamede, aprisionando-a no castelo de Lanhoso, dizendo tal tese que a acção seria merecedora do "castigo divino" recebido anos mais tarde pelo seu próprio sofrimento, após a derrota sofrida em Badajoz. É a própria Dona Tareja quem "escreve", como consta da IV Crónica Breve de Stª. Cruz de Coimbra: - "Afonso Anriquez, meu filho, prendeste-me e meteste-me em ferros. Rogo a Deus que preso sejades, assi como eu sõo. E porque me metestes nos meus pees ferros, quebrantadas sejam as tas pernas com ferros e deserdaste-me da terra que me leixou meu padre, e quitaste-me do meu marido. E mande Deus que se compra esto." Sabe-se contudo, por análise de documentos autênticos, que pouco tempo depois desta data já se encontravam, Dona Teresa e Fernão Peres de Trava, absolutamente livres lá para as terras dos Trava, na Galiza.
* Este casal, D. Teresa e Fernão Peres, viveram muitos anos em "comunhão de leito", do "enlace" nascendo duas filhas. O primeiro amor "proibido" da mãe do jovem Afonso Henriques, D. Bermudo, havia casado, em 1121, com a filha de Dona Teresa, Dona Urraca Henriques.
* No entanto, parece que as artes de bruxaria da Rainha deposta por D. Afonso I, eram bastante fortes, se atentar-mos no facto de a praga acabar por encontrar eco quando D. Afonso Henriques colocou cerco a Badajoz, importante praça então em poder dos mouros. D. Afonso e Geraldo Geraldes levavam as suas hostes à vitória...quando a sorte das armas se virou contra eles - até pela "traição" do Rei D. Fernando II, de Leão, que veio em ajuda dos mouros - e D. Afonso, depois de uma perna partida numa das portas da cidade, teve de jurar ao futuro genro, D. Fernando, que renunciava a todas as terras a norte do Rio Minho. Acontece, porém, que a dita "profecia" da Rainha D. Teresa apenas foi escrita pelos cronistas muitos anos depois da batalha de S. Mamede... e do cerco de Badajoz.
* Resta dizer, como final desta história, que D. Fernão Peres de Trava regressou ao Reino de Portugal, pelo menos, que se saiba, por duas vezes. Uma foi para confirmar algumas doações feitas à Sé de Braga. Outra das vezes, para oferecer à Sé de Coimbra uma propriedade que detinha em São Pedro do Sul. Isto foi feito em sufrágio da Dona Teresa, que faleceu em 1130.
E ASSIM SE VAI REPONDO A VERDADE DA HISTÓRIA!

NO MUNDO ASSIM...

NO MUNDO  ASSIM...
era bom viver nesta terra... bonita!