terça-feira, 16 de dezembro de 2008

NATAL...

Com a aproximação da comemoração do Natal de Jesus Cristo, somos levados a recordar outros Natais, quando se fazia do Advento um tempo forte de união da Família, pois era a Festa da Família que estava para se comemorar e não outra festança mundana, onde se ia comer e beber, dançar e cantar... e o resto que se amole, pois o tempo não estaria para chatices. Não! Nesses tempos, por esta altura, a miudagem ia em busca de musgos e arbustos, pedras e outras coisas mais que pudessem ser utilizadas na montagem do Presépio da Sé.
Eram as crianças da Catequese que, a pedido dos Catequistas e do Prior da Sé, o Revº. Pe. Craveiro ou qualquer um dos outros que na Sé trabalharam, iam pela encosta do Castelo, pelos Castelinhos, Alto dos Capuchos ou qualquer outro local onde pudessem encontrar o precioso musgo, que seria de primordial importância para se fazer o Presépio.
No Convento da Portela, os Franciscanos montavam, tradicionalmente, um magnífico Presépio movimentado, que, a troco de uma moedinha de cinquenta centavos, de Escudo ou de 2$50 punha os miúdos de olhos esbugalhados a olhar para aquela maravilha de uns pequenos bonecos, acionados por um complicado sistema de rodas e rodinhas, cordas e cordinhas, luzes e luzinhas, davam vida àquela representação do Natal de Jesus.
As montras estavam todas elas decoradas com temáticas natalícias, vendo-se presépios para todos os gostos - até movimentados, como era o caso da "Novilux"... mesmo sendo os donos desta empresa destacados membros da Igreja Evangélica Baptista de Leiria -, respirando-se um espírito novo de Paz e Amor entre todas as pessoas, que andavam nas ruas com uma expressão de alegria, de partilha solidária com todos os outros, com um cativante sorriso sempre presente em cada rosto: "BOAS FESTAS !!!... FELIZ NATAL !!!..."
No Seminário Maior, ali à Fonte Freire, havia lugar à récita de Natal da Catequese, fazendo-se então a distribuição de prendas pelas crianças, cantava-se o "Alegrem-se os céus e a terra, cantemos com alegria... já nasceu o Deus Menino, Filho da Virgem Maria!"...
Recordo também os "Natais do Polícia Sinaleiro", com as muitas ofertas que se faziam a Guardas da PSP como o Sr. Viola, o Sr. Manuel "Polícia", o Sr. Valente... e outros esforçados Sinaleiros que, naqueles tempos, dirigiam o trânsito junto aos Paços do Concelho ou à Ponte Nova - Igreja do Espírito Santo.
Recordar é viver... e no Natal que se aproxima, poderemos recordar como era bela a Festa da Família em Leiria, com a consoada, a Missa do Galo na Sé, em cujo adro se punha a arder o madeiro de Natal, as Boas Festas que passavam de boca em boca, os sorrisos no rosto, os fatos de "domingar", para ir vêr o Menino Deus que nascia. Não havia lugar para Pais Natal, pois o Menino de Belém era suficiente para nos dar os ansiados presentes... que eram trazidos pela chaminé, durante a noite, e colocados no sapatinho. Mesmo o Pinheiro de Natal veio mais tarde dar um pouco de novidade ao Natal da nossa meninice.
Como então, possamos dizer, do fundo do coração:
FELIZ NATAL !!! BOAS FESTAS !!! BOM ANO NOVO !!!

NO MUNDO ASSIM...

NO MUNDO  ASSIM...
era bom viver nesta terra... bonita!