sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

NOVO ANO... QUE VIDA NOVA?

Nestes tempos do Natal de Jesus, que se apresentam como tempos de insegurança, com uma crise geral no campo económico ou no trabalho, instabilidade político/social, com um cotejo de crimes mais ou menos graves, onde encontramos crimes como as mortes, os roubos, a corrupção, a violação dos mais elementares direitos consignados ao Homem, as constantes violações à dignidade da pessoa humana, com os mais necessitados a verem tudo a fugir-lhes por entre os dedos, apenas porque desapareceu a verdade no mais comum dos mortais deste País, que foi, outrora, berço de Heróis, Santos e Sábios, mas onde hoje... nada disso faz mais sentido numa sociedade em que nos tornámos seres ávidos por beber do cálice do facilitismo e nos arrogamos em mostrar que somos acérrimos defensores... da falta de carácter, da insensatez de vida ou de outras aleivosias assaz degradantes, que tendem à destruição de tudo por onde passam.
Passado que foi o Natal, aguardamos a chegada do Ano Novo, cujo 1º. dia de Janeiro começa por um apelo à Paz, apelo esse lançado pela Igreja de Cristo, com intercessão da Virgem Nossa Senhora, Mãe de Deus e Rainha da Paz.
O início de um novo ano traz sempre consigo alguma esperança para os novos tempos que iremos viver, mesmo não sendo crível que irá haver uma nova ordem no quotidiano de 2009, porque os tempos são de crise em todos os sectores da vida dos cidadãos, não só de Portugal como de quase todo o mundo.
É costume fazer-se um juízo final para avaliar o que foram os 365 dias que passaram.
Creio que o saldo do ano será negativo em termos económicos, porque em termos de harmonia e paz familiar, tudo se passa ao contrário, uma vez que o equilíbrio conseguido através do respeito mútuo, do amor ou da felicidade comungada por todos os membros da família, permite assim que tal juízo seja considerado plenamente positivo.
2009 irá ser aquilo que todos possamos fazer por ele. Vai haver paz, entre os Homens de Paz, Justiça entre aqueles que desta são defensores, perdão entre todos aqueles que usam de misericórdia para com o seu semelhante, solidariedade entre os solidários, amor entre todos os cultores de tal sentimento... mas também teremos de esperar por momentos de sofrimento, onde veremos fome, injustiças sociais, incompreensões, desânimo, ódios, desamor e enorme falta se solidariedade entre todos aqueles que vivem mais desligados da comunhão fraterna com os homens capazes de viver a fraternidade, usar a misericórdia, espalhar o amor, porque vivem segundo o Espírito de Deus, que está com eles e os orienta pela vida com rectidão plena.
Que no dia de São Silvestre, de Santa Maria, Mãe de Deus e da Paz, possamos dar as mãos e caminhar ao encontro daquele Menino Deus que, num noite fria de há 2008 anos, veio ao mundo por Amor aos Homens de Boa Vontade!
FELIZ ANO NOVO!

NO MUNDO ASSIM...

NO MUNDO  ASSIM...
era bom viver nesta terra... bonita!