sexta-feira, 13 de março de 2009

MAS QUE AZAR...

Quando eu era miúdo, ia muitas vezes ao "GATO PRETO", porque gostava muito da Dona Maria José, ao tempo a proprietária do estabelecimento de "vinhos e petiscos" que respondia pelo nome.
Nunca esqueci o que ela me disse, quando manifestei algum receio por causa de um enorme gato preto, suponho que pertencia à casa e serviria como "publicidade viva", que se estendia ao sol, sem se incomodar muito com quem passava... mas tinha as minhas defesas alerta por ouvir falar da Sexta Feira, dia 13, como um dia de azar em que o próprio "Demo" andaria à solta em forma de... GATO PRETO: - "Ouve lá, garoto! Que te andaram a meter nessa cabecinha? Asneiras, estou a vêr! Dias de azar são todos, não o dia 13, vais aprender isso! O Farrusco é que te mete medo? Tomaria ele que não lhe fizesses tu mal!".
O número 13 é considerado de má sorte. Na numerologia, o número 12 é considerado de algo completo, como por exemplo: 12 meses no ano, 12 tribos de Israel, 12 apóstolos de Jesus ou 12 Signos do Zodíaco . O 13 é considerado um número irregular, um sinal de infortúnio. Foi numa sexta-feira que Jesus foi crucificado, pelo que é considerado um dia de azar. Somando o dia da semana de azar (sexta) com o número de azar (13) tem-se o mais azarado dos dias.
Julga-se que esta superstição pode ter tido origem no dia 13 de Outubro
de 1307, sexta-feira, quando a Ordem dos Templários foi declarada ilegal pelo rei Filipe IV de França; os seus membros foram presos simultaneamente em todo o país e alguns torturados e, mais tarde, executados por heresia.
Mas também poderá esta crença dever-se ao facto de , provavelmente, Jesus Cristo ter sido morto numa sexta-feira 13, uma vez que a Páscoa judaica é celebrada no dia 14 do mês de Nissan, no calendário hebraico. Na última Ceia sentaram-se à mesa treze pessoas, sendo que duas delas, Jesus e Judas Iscariotes, morreram logo de seguida, por mortes trágicas, sendo Jesus por crucificação e Judas, provavelmente , por suicídio.
Além da justificativa cristã, há duas outras versões que provêm da mitologia nórdica que podem explicar a superstição. Na primeira delas, conta-se que houve um banquete e 12 deuses foram convidados. Loki, espírito do mal e da discórdia, apareceu sem ser chamado e armou uma briga que terminou com a morte de Balder, o favorito dos deuses. Daí veio a crendice de que convidar 13 pessoas para um jantar era desgraça.
Segundo outra versão, a deusa do amor e da beleza era Friga (que deu origem a frigadag, ou sexta-feira). Quando as tribos nórdicas e alemãs se converteram ao cristianismo, Friga foi transformada em bruxa. Como vingança, ela passou a se reunir todas as sextas com outras 11 bruxas e o demônio, os 13 ficavam rogando pragas aos humanos. Da Escandinava, esta superstição espalhou-se pela Europa.
Por causa desta Sexta Feira, 13, vejam lá do que me haveria de lembrar: o velho "GATO PRETO"...

NO MUNDO ASSIM...

NO MUNDO  ASSIM...
era bom viver nesta terra... bonita!