sexta-feira, 24 de abril de 2009

Os 35 anos do 25 de Abril...

...sucitam algumas interrogações, mil e uma questões e imensas desilusões, quando usadas as armas da verdade na análise que se faça do acontecimento. Porque o antes e o depois de Abril traz-nos milhões de dúvidas para tirar, considerando ter-se feito uma revolução apenas e só para alguns, como se constatou a partir do dia 26, segundo afirmam os mais pessimistas, ou do dia 25 de Novembro, segundo aqueles mais "idealistas".
Podemos ler alguns estratos daquilo que alguém escreveu :
"Este país foge para a esquerda, simplesmente porque durante 50 anos fugiu para a direita, é normal.
O que já não é normal nem saudável é que ninguém se preocupe com isso.
O Estado Novo acabou, porque uma minoria, bem organizada, motivada, e com meios limitados, conseguiu deitar o regime abaixo.
Era bom que isso não acontecesse novamente, mas em sentido contrário.
Continuamos a ser dos únicos países na Europa, que mantêm no preambulo da Constituição "o rumo ao socialismo".
Isto é um anacronismo, que ninguém compreende, e sobretudo os ex-países de leste, que levaram quase 50 anos a correr de lá com os comunistas. Um país que foge para a esquerda, é como uma criancinha com complexos, com vergonha de não ter calças de marca, vergonha de passar férias na Fonte da Telha, vergonha de ir à terra, vergonha das fotos dos avós, do croché da mãe, do autocolante do pai, do padrinho a comer caracóis, e por aí fora.
Com Portugal passa-se um pouco o mesmo, e depois, claro está, vêm as asneiras, que é como o burrito a querer parecer o D. Quixote - EUROS...TGV's... AEROPORTO EM ALCOCHETE, auto-estradas, pontes e viadutos... CCB's, reformas e mais reformas, leis e mais leis, juntas de freguesia cada uma com o seu polidesportivo... para fazer corridas de pulgas, Câmaras com rotundas e urbanizações a perder de vista, agricultores que pedem subsídios porque ontem choveu e hoje faz sol, professores que não querem ser avaliados, médicos que querem o Estado de manhã e a clínica privada à tarde, clubes que têm dinheiro para tudo... menos para pagar impostos... e os ordenados aos atletas, tropa que prefere andar de mãos nos bolsos do que fazer manutenção e vigilância nas nossas florestas. É que antes do 25 de Abril os jovens iam para África combater numa guerra que diziam não ser sua... mas agora vão voluntários, como perfeitos mercenários, para o País que melhor pagar a sua presença... dizendo depois que a missão é muito espinhosa, que se fartaram de sofrer, etc...etc... mas os antigos Combatentes do Ultramar são ostracizados, banidos, vilpendiados pelo Poder estabelecido.
...e os sindicatos que andam de chapéu na mão a mendigar verbas do erário público... para depois poderem paralizar o país sempre que lhes der jeito, dirigentes desportivos que têm um sistema de justiça "privado", Partidos, sempre os mesmos, que se entretêm a jogar o jogo do "muda aos 5 e acaba aos 10". As pensões de miséria continuam... mas as milionárias aumentaram... para os amigos que serviram fielmente o Partido."
Ninguém gosta de viver em ditadura, e o povo comaça a estar farto desta ditadura de prepotentes bem falantes e bem pensantes, que falam de milhões e mais milhões, enquanto cá em baixo, quem ia ao Pão de Açúcar já vai ao Continente, quem ia ao Continente já vai ao Minipreço, e quem ia ao Minipreço já vai ao... Banco Alimentar.
Não tardará muito e a bicha para o Banco Alimentar já dá a volta à 2ª. Circular.
"AGORA O POVO UNIDO...
... CONTINUA A SER..."

terça-feira, 21 de abril de 2009

Uma questão de CONSCIÊNCIA !





















São Nuno de Stª. Maria ----------------------- 25 de Abril...
***
É ponto assente que Portugal é um País de Heróis, Santos e Sábios, como o foi de Trovadores e Poetas, de Pintores e Escultores, de gente nobre e simples, ricos e pobres... mas acima de tudo de cidadãos dignos, que jamais vergam a cerviz perante as atrocidades e prepotências desenvolvidas por algumas pessoas que se arrogam ter direitos de vida e de morte sobre a Verdade, a Justiça, a Educação e outros direitos inalienáveis de um Povo que está farto de que uns tantos falem em nome deles e lhes digam o caminho a tomar para fazerem jus aos seus direitos de cidadania.
Infelizmente, porque "traidores, entre os Portugueses, sempre os houvera", como afirma Luis de Camões, Portugal também é pátria de alguns Miguéis de Vasconcelos, como não poderia deixar de ser.
No dia 25 de Abril, há precisamente 35 anos, um grupo de militares, conhecido por Movimento das Forças Armadas ou dos Capitães, tomou nas suas mãos os destinos de Portugal, resgatando-o a um regime que durou 48 anos de governação colonial e corporativista, com um período trágico de uma guerrilha terrorista que foi fomentada pelos Comunistas e Capitalistas nas possessões ultramarinas portuguesas.
Esses acontecimentos, baptizado como Revolução dos Cravos, foram de esperança, de ilusórias esperanças em mudanças para o bem do Povo, porque aquilo que veio a acontecer foi os pobres ficarem cada vez mais pobres e os ricos cada vez mais ricos. Muitos acabaram por enriquecer com a Revolução, enquanto outros se viram relegados para a necessidade de procurar lugar onde as suas capacidades fossem realmente reconhecidas.
Institui-se a liberdade como um bem da democracia... mas as amplas liberdades estão bem patentes na insegurança a todos os níveis...
...restando agora a esperança de que a canonização do Condestável D. Nuno Álvares, o nosso bem Português Beato Nuno de Santa Maria, agora elevado à glória da santidade, venha a conceder ao Povo Português a graça de lhe dar uma nova centelha da dignidade de outrora, como o fez na ajuda ao Mestre de Aviz, nos tempos conturbados do levantamento do povo de Lisboa.
É por isso que há que continuar a acreditar ser ainda possível renovar a esperança dos Portugueses, que se revêem neste Herói e Santo, único capaz de nos mostrar os caminhos da verdadeira revolução, que terá de ser a das consciências.

NO MUNDO ASSIM...

NO MUNDO  ASSIM...
era bom viver nesta terra... bonita!