segunda-feira, 1 de novembro de 2010

O DIA DE TODOS OS SANTOS

A Igreja celebra hoje TODOS OS SANTOS.
É um convite que nos é feito para olhar para o Alto, uma vez que o mundo se mostra cada vez mais escurecido pelo pecado do Homem, que tem necessidade da luz daqueles que viveram e morreram em Cristo, por Cristo e com Cristo, formando a tal "constelação" que foi vista por São João, que nos diz: "Era uma multidão imensa, que ninguém conseguiria contar, de todas as nações, tribos e línguas!" (Apoc. 7,9).
Nunca como hoje é pertinente que recordemos todos os Santos e Santas de Deus, que não seriam aqueles seres seráficos, de pescoços torcidos e olhares lânguidos postos no Além, porque os Santos verdadeiros, aqueles cuja acção agradou ao Senhor e lhes abriu as portas da santidade, são homens e mulheres de todas as idades, cores, profissões, que souberam ser aqueles "Combatentes" que ousaram "combater o bom combate" de que nos fala São Paulo, conquistando o "direito" de serem imitados, pois não se limitaram a ser adolescentes, jovens, homens casados, mães de família, operários, empregados do comércio, patrões, juízes ou trabalhadores rurais, Sacerdotes, pobres mendigos ou sem abrigo, profissionais dos vários ramos do comércio, indústria ou serviços, Militares de qualquer patente ou Religiosos, procurando ser pessoas capazes de se tornarem sinais do que o Espírito Santo pode fazer por qualquer um de nós quando nos decidimos a viver o Evangelho na Igreja e na Sociedade.
Muitos dos Santos que hoje veneramos passaram fome, tiveram apelos carnais, trabalharam árduamente para sustentar uma família, lutaram em guerras, sofreram perseguições, alegraram-se e estiveram tristes, viveram situações de pecado, de arrependimentos profundos, sede, doenças, foram caluniados, sofreram ódios, falta de amor, injustiças... mas tudo isto e mais alguma coisa que fizesse o seu quotidiano não lhes arrefeceu o ânimo e seguiram Cristo enfrentando os revezes da vida sempre com entusiasmo porque sabiam que na Pátria definitiva "não sois mais estrangeiros, nem migrantes; sois concidadãos dos Santos, sois da Família de Deus" (Ef. 2,19).
A Igreja diz-nos, na Catequese, que esta celebração ressalta do chamamento de Cristo e cada pessoa para O seguir e ser santo, à imagem de Deus, a imagem em que foi originalmente criada e para a qual deve continuar a caminhar em amor.

NO MUNDO ASSIM...

NO MUNDO  ASSIM...
era bom viver nesta terra... bonita!