sábado, 15 de janeiro de 2011

RECORDO-TE, MÃE...

+ 15JAN1951
HOJE E SEMPRE PRESENTE!
*
Há sessenta anos que partistes,
mas ficastes sempre presente
nos filhos que então paristes
e são quem tua falta sente!
Eras tão nova... bonita...
um espanto de mulher...
...sabes: ninguém acredita,
mas só morre quem Deus quer!
Ter filhos é ter cadilhos...
...mesmo sendo orgulhos teus
porque era nos teus filhos
que te encontravas com Deus!
Ele quiz-te no Paraíso
mais cedo do que o previsto...
...para nós foi prejuízo
tu ires para o pé de Cristo!
Quantas saudades deixastes...
quantas lágrimas foram choradas
pelos filhos, que muito amastes,
quando se viram abandonadas!!!
Nestes anos nunca esqueci
tantos afagos e carinhos
que eu, de ti, recebi ,
tal como os meus maninhos...
Quantas saudades, minha Mãe...
...sabes? - Jamais te olvidei!
Por vezes uma lágrima vem
recordando quanto te amei!
Pede a Deus que me ajude
no caminho que ainda me der...
...que não me falte com a saúde,
que proteja a minha mulher!
Vela sempre pelos netos teus,
aqueles que nunca vistes...
...a não ser aí dos céus
para onde um dia partistes!
Minha Mãe, quanto te amo,
mesmo com o tempo decorrido
que até julgo ser um engano
e tu nunca tenhas morrido!
Recebe beijos ardentes
de quem sempre te amou
desde os tempos inocentes
quando Jesus te chamou!
...*...
Poema dedicado a minha Mãe, Maria Emília,
na passagem do 60º. aniversário da sua morte.
15-JAN-1951 - 15JAN2011
Victor Elias

NO MUNDO ASSIM...

NO MUNDO  ASSIM...
era bom viver nesta terra... bonita!