sábado, 31 de dezembro de 2011

LEIRIA QUE SEJAS FELIZ em 2012

Não é displicente o facto de se estar a 'falar' de um ano que passa sem deixar marcas que não sejam para olvidar, tal como não se poderá dizer que o ano que finda foi o melhor de um leque de opções que foi necessário contabilizar como positivas - ou negativas - apenas porque nos deram ou não água pela barba... e não estamos muito recetivos a dar de barato que tudo está na paz dos anjos... até porque não sabemos se estes sabem o que isso é.
A mim, por exemplo, o ano de 2011 deixou-me  um sentimento de amor/ódio, primeiro porque me deu reconfortantes reencontros  com pessoas que julguei nunca mais ir vêr, como seja velhos condiscípulos do meu Jardim-Escola de Leiria e a muito querida Professora que tinha a missão de dirigir aquele espaço nos meus tempos de João de Deus, a Dona Maria Eduarda Viana Rodrigues da Costa Santos, que os Anjos acolheram no Cé no dia 12 de Setembro do ano que agora finda.
Quando eu pensava fazer as pazes com a cidade... esta mostra o quanto é efémero tal desejo, porque Leiria ainda não pensa fazer as pazes com os seus filhos, a avaliar pelo modo pouco edificante como ela faz questão de se nos 'apresentar' depois que alguns erros de palmatória foram cometidos na consecução dos projetos do programa POLIS.

Leiria não precisava de quinhentas pontes e 1000 vias pedonais... se para isso se tornava necessário colocar a cidade em risco de catastrófica ruína. Para quê um Estádio magnificente se nem equipa para lá jogar tem? É só para dizer que existe? Não carecia, porque nos tempos do Ateneu já se jogava a bola... e talvez melhor do que agora.
O Largo da Sé está todo a caír! A oficina do Afonso das bicicletas, a antiga Associação de Futebol de Leiria, a Tinturaria Americana, o Freitas chapeleiro, um pouco por todo o lado, para ser mais realista, há mostras de abandono, parecendo que apenas interessa fazer-se 'obra nova' e não deitar as pertinentes 'meias solas' capazes de fazer durar um pouco mais a fisionomia de uma cidade que sempre nos orgulhou.
Depois admiram-se de ser confrontados com os desperdícios que foram feitos ao longo dos anos. Então... não sobrou um cêntimo para comprar uma gambiarra aos chinezes para que pudesse assinalar-se o Natal ou a Passagem do Ano? Em quanto importam os desperdícios que se fizeram em nome do Povo de Leiria? Apurem-se responsabilidades e faça-se pagar aos culpados, sejam eles do Partido Socialista, do PSD ou do CDS/PP. Não podem é ser os Leirienses a pagar a factura de um banquete feito pelos outros em nome da democracia.


Então... talvez 2012 venha a ser um Bom Ano Novo, porque a justiça entre as gentes de Leiria não é palavra vã.  

NO MUNDO ASSIM...

NO MUNDO  ASSIM...
era bom viver nesta terra... bonita!