quarta-feira, 25 de abril de 2012

O 25 DE ABRIL EM LEIRIA


Sendo alguém que esteve presente no terreno como repórter da Rádio Renascença, em 1974, Adelino Gomes é o orador que foi  convidado para a cerimónia, em Leiria, em que se comemora o 38º aniversário do 25 de abril.
Adelino Gomes
Este  jornalista, que é um natural dos Marrazes, Leiria, irá participar no evento, falando no Teatro Miguel Franco a partir das 11 horas do dia 25 de abril.
A cerimónia será aberta ao público em geral e começa às 9h30, com o hastear da Bandeira Nacional  no Regimento de Artilharia 4, junto ao edifício dos Paços do Concelho, seguido-se uma atuação da Banda Filarmónica da SAMP – Sociedade Artística Musical dos Pousos.
Adelino Gomes tem 68 anos e trabalhou na rádio, em televisão, nos jornais e revistas. É Comendador da Ordem do Infante D. Henrique .

O 25 DE ABRIL... HOJE!!!

ESTA A IMAGEM DE UM ANIVERSÁRIO DO 25 DE ABRIL... ANTES DO TOTAL ASSUMIR QUE ESTÁ CAQUÉTICO E A NECESSITAR DE REFORMA IMEDIATA.
MÁRIO SOARES ESTÁ CPM AZIA POR CAUSA DO GOVERNO PSD/CDS, MAS UM COMPRIMIDO DE BOM SENSO COM SAIS DE SAPO VIVO TALVEZ  LHE CURE A
DEMENCITE AGUDA DE QUE PADECE DESDE À MUITO.  
DEPOIS DE OUVIR ZORRINHO ZURRAR EM NOME DO PARTIDO DO SEGURO, PARECE POUCO SEGURO IMAGINAR QUE ALGUMA VEZ ELE E OS PARCEIROS DO ALI-SÓCRATES-BABÁ VENHAM A SER RESPONSABILIZADOS PELO DELAPIDAR DO OURO QUE UM DIA ESTEVE NA CAIXA FORTE DO BANCO DE PORTUGAL MAS QUE A DESCOBERTA DA CÉLEBRE SENHA "ABRE-TE, BOLSO XUXA!", LEVOU A QUE PUDESSEM LIMPAR A CAIXA COMO SE FOSSE USADO O CÉLEBRE "LIMPÃO", O PODER DE LIMPEZA MAIS FORTE CONHECIDA  ATÉ ENTÃO.
O CRAVO PORTUGAL VAI DEFINHANDO NO SEU VASO!
SEM O 25 DE ABRIL... ALGUMA VEZ SERIA POSSÍVEL UM PORTUGA TER DUAS MULHERES? NÃO! ESTA CONQUISTA FOI POSSÍVEL PORQUE OTELO ABRIU ESTAS PORTAS COM SE FOSSEM DE ABRIL! NÃO FOI POSSÍVEL SABER EM QUE MÊS O FEZ - CASAMENTO E AJUNTAMENTO - MAS FOI UM ÊXITO RETUMBANTE, PORQUE AS SENHORAS FORAM A SUA CORAGEM PARA ESQUECER A SUA REVOLUÇÃO E AS FORÇAS POPULARES COM QUE HOMENAGEOU ABRIL E O DIA 25.  

terça-feira, 24 de abril de 2012

25 de ABRIL... ontem e hoje


No dia 25 de Abril de 1974, há 38 anos , Portugal já não tinha os protagonistas acima 'reproduzidos' a dar cabo da nossa cabecinha, porque para isso tinha-se a 'Tropa' e a guerra do Ultramar... e chegava bem para nos entreter neste País à beira mar plantado.
Os 'Capitães de Abril', sob orientação da 'mente' estratégica de Otelo Saraiva de Carvalho, a quem muitos apelidam de 'Louco', de 'Major comuna', como 'apelidos' mais suaves de pronunciar, uma vez que  também foi apelidado de 'Assassino', 'Ditador' e afins, resolveram 'tomar' o Governo de Portugal em mãos e mudar as feições da política portuguesa. Para ajudar Otelo, usou-se o patriotismo do Capitão Salgueiro Maia e de uns tantos mais que pensavam estar a dar ao Povo a Liberdade que lhe havia sido 'cerceada' durante mais de 48 anos.


A Junta de Salvação Nacional foi criada para que o poder não ficasse órfão, mas depressa começou a tentativa de as forças políticas, que logo apareceram ou foram reconhecidas, 'apanharem' o combóio  das oportunidades  que se lhes deparavam com o PREC. É nomeado um Presidente da República interino... que mandava tanto como a Rainha de Inglaterra, porque o Conselho da Revolução era o 'garante' de que o 25 de Abril se cumpriria. 


Mesmo que muitos se interrogassem sobre o que ganhavam com o 25 de Abril, dado estarem fartos de andar a apanhar bonés. Também a 'Tropa' pensou de imediato rirar dividendos e deixar de defender a soberania portuguesa em África, pois estavam ali por imposição e queriam viver a liberdade que a Revolução lhes trouxe. O oportunismo espalhou-se... e aconteceu o assassínio do Tenente Coronel Maggiolo Gouveia, morto em Dili - Timor, com um tiro na cabeça.O Tenente Coronel Maggiolo Gouveia foi combatente em África, comandante da Polícia de Segurança Pública (PSP) de Dili na altura do 25 de Abril, Maggiolo Gouveia foi torturado e executado pela Frente Timorense de Libertação Nacional (FRETILIN) em 1975.

Afinal não. Para alguns, 25 de abril nem sempre. Só quando se quer. Mário Soares, Manuel Alegre e os membros da Associação 25 de Abril decidiram não comparecer às cerimónias comemorativas do Dia da Liberdade que, como manda a  tradição, decorrem na chamada  'casa da democracia' perante os eleitos pelos portugueses.
Estes senhores ignoram duas coisas elementares. A primeira é que o 25 de Abril não tem dono. Feoi feito em nome do Povo e não em nome de qualquer iluminado da aristocracia militar ou civil. E seguramente não se fez para estar sujeito à prisão do 'quem é que fez o quê?'.
Quanto à segunda, no 25 de Abril não é comemorada uma data, nem sequer é um momento para difundir vaidades.
Celebram-se princípios e valores sufragados pelo Povo ao qual, para sermos verdadeiros, se deve todo o sucesso da Revolução. Um desses princípios é o do respeito pela vontade popular, que é expressa democraticamente em eleições livres. Por tal razão, percebe-se mal (ou talvez nem custe a perceber) a atitude destas personalidades ao tentar justificar-se com a  discordância do Governo da República e com uma política que a maioria dos portugueses, que se manifestou em liberdade, democraticamente legitimou. Ter-se-ão estes senhores esquecido que ser democrata é, sobretudo, aceitar que outros possam ter do País e do seu futuro uma ideia diferente da nossa?
 Como se sabe, todos os anos o Dr. Soares compareceu às cerimónias, mas assim, com esta tomada de posição do Dr. Soares, todos ficamos a saber…
- que encher os bolsos da EDP, da MOTA-ENGIL, da banca, etc., etc., através de PPP,  será uma forma de honrar o “espírito do 25 de Abril”;

-  ocultar,  através da nacionalização, como fizeram José Socrates e Teixeira dos Santos, a fraude acontecida com o  BPN, honrará o “espírito do 25 de Abril”;
- gastar milhões desnecessariamente e atropelando tudo  o que seja procedimento legal, como aconteceu na Parque Escolar e outras, quando o País se encontrava já na situação de bancarrota, será  honrar o “espírito do 25 de Abril
Segundo a agência Lusa, Manuel Alegre disse: "Não vou. A celebração sem aqueles que fizeram o 25 de Abril, para mim, não tem o mesmo significado. Quando se fez o 25 de Abril em 1974, eu estava no exílio. Se hoje se vive em liberdade em Portugal, a eles o devemos".
Talvez ele pense que faz muita falta... mas uma viola no enterro também o fará?
Este também decidiu  ficar à margem das comemorações oficiais da revolução de 1974, como protesto pelo comportamento do “poder político” atual.
A 'sua'  Associação 25 de Abril consegue assim a solidariedade de duas figuras históricas do PS, como são o antigo Presidente da República Mário Soares e o ex-candidato presidencial Manuel Alegre.
 
E VIVA A DEMOCRACIA...
 CONQUISTAS DE ABRIL, 38 ANOS DEPOIS

NO MUNDO ASSIM...

NO MUNDO  ASSIM...
era bom viver nesta terra... bonita!