domingo, 26 de agosto de 2012

LEIRIA CRESCE...CRESCE...

...MAS NÃO É UM CRESCIMENTO CAPAZ DE MERECER PALAVRAS DE APREÇO IMEDIATO, TALVEZ PORQUE FAÇA LEMBRAR UM POUCO AQUELES JOVENS QUE, EM TEMPOS QUE JÁ LÁ VÃO, NASCIAM, CRESCIAM E VIVIAM EM AMBIENTES NADA CONSENTÂNEOS COM AQUILO QUE DEVERIA SER A SUA FORMAÇÃO TOTAL COMO PESSOAS DE CARÁCTER  PROBO... AINDA QUE ,  VALHA A VERDADE, TENHA HAVIDO PREOCUPAÇÕES SOCIAIS PARA QUE ESSES JOVENS FOSSEM BEM ENCAMINHADOS PARA A VIDA.
Quem não recorda a Leiria de outros tempos, quando havia a garotada da Calçada do Bravo a mostrar a 'peitaça' aos miúdos do Terreiro, da Restauração, do Bairro dos Anjos, para falar só destes lugares de saudade, sítios que foram importantes na nossa formação integral como homens úteis a uma sociedade que foi sofrendo mutações ao longo dos decénios, chegando aos dias de hoje cheia de interrogações... e de decepções!
Depois de alguns anos fora de Leiria, estranhei a cidade que vim encontrar, pois tudo estava em convulsão. Falava-se de uma revolução chamada POLIS, mas creio que se descuraram coisas de enorme importância para que a cidade mantivesse a sua identidade.
O Parque Jeime Tomaz Zúquete da Fonseca, aquele mesmo parque onde costumava ir comprar uma cana da Índia, para fazer o meu artefacto de pesca, onde disputei tão renhidas partidas de futebol nos torneios organizados pela Câmara e pela Associação de Fitebol de Leiria... - a mesma Associação cuja sede encontrei em ruínas, tal como a velha Rua Direita... ou Barão de Viamonte, como quizerem chamar-lhe -, estava um caos, com a antiga sombra dos plátanos e tílias completamente destruída, os 'muretes' de arbutos degradados, estraçalhados pelas muitas obras que ali tiveram estaleiro !
 
Vá lá que colocaram no Parque uma aeronave do Força Aérea . um BC - que vi estar a precisar de quem cuide dela, mesmo não estando muito má, comparada com a cidade!
Cheguei a pensar que a Drª. Isabel Damasceno tinha apostado destruír a cidade, mas verifiquei que não, porque o actual edil não tem feito muito para mudar o estado de coisas... a não ser o conceito de desporto na cidade, que ele e os seus 'vereadores' quizeram mudar em definitivo... e o União de Leiria, de quem recordo as 'lutas' para ser o Clube da cidade, não suportou tais 'mudanças' na condução dos seus destinos e vai... agonizando!
Esta Leiria cresce...cresce...cresce nem que seja no mau sentido! Um dia haverá quem a reabilite... mas até lá perde-se a memória do que foi a nossa cidade do Lis.

NO MUNDO ASSIM...

NO MUNDO  ASSIM...
era bom viver nesta terra... bonita!