quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

NOVO ANO... ANO VELHO...


Com a chegada de mais um ano, completam-se dois mil e doze jogadas no xadrez da vida, sem que tenha soado a hora do xeque-mate para a esperança, que sempre vai seguindo em cada pedra que é mudada... em cada noite de São Silvestre que passa.
No Ano Novo renovam-se os desejos de que 'para o ano é que vai ser'... nem que seja apenas o desejo de que o clube da nossa simpatia venha a ostentar as tradicionais faixas de campeão de qualquer coisa, porque o que interessa é ser o melhor, seja lá no que possa ser. No Ano Novo dizem-se muitas coisas bonitas, há muitas promessas que se fazem, muitos propósitos de mudança, seja lá para o que possa ser, mil e uma intenções de ser alguém diferente, mais confiável, mais solidário, mais benemerente, mais tolerante, mais amável, mais alegre, mais tudo o que se possa imaginar, porque vai passando de um para o outro ano e mudanças... só as do carro, se não estiverem avariadas, claro!
Do Ano Velho muito há para contar, mas recordar tristezas não será a coisa mais 'feliz' de se fazer. Fica um cotejo de atitudes menos dignas vindas de quem devia 'mandar', mas parece que Portugal só tem no (des)Governo quem saiba conjugar o verbo 'subtraír' e as palavras mais escritas/ditas foram 'CRISE', 'DESEMPREGO', 'FOME'  e 'IMPOSTOS', vá-se lá saber porquê.
Infelizmente sabemos que alguns destes 'títulos' vão chegar ao Ano Novo e até se fala na hipótese de um 'crescimento', porque os nossos (des)Governantes ainda não conseguiram arranjar uma solução que não passe por colocarem os mais desafortunados a pagar a factura daquilo que é dado aos mais protegidos pela fortuna.
Infelizmente não podemos ter o prazer de dizer a cada um dos nossos Amigos FELIZ ANO NOVO, porque a felicidade é algo de muito raro na nossa sociedade, por falta de AMOR, VERDADE, SOLIDARIEDADE, TRABALHO, SAÚDE, JUSTIÇA... e tudo o mais que seja negado ao Homem todo!  
 

NO MUNDO ASSIM...

NO MUNDO  ASSIM...
era bom viver nesta terra... bonita!