sexta-feira, 28 de junho de 2013

OS EXAMES PRIMÁRIOS...

 
Por este tempo, há muitos anos atrás, um miúdo do outro lado da cidade, lá da zona do Castelo,  foi mandado apresentar na 'Escola Nova' onde pontificava o Professor Fernandes. Ia ali fazer o seu Exame da 4ª. Classe do Ensino Primário.
A minha irmã mais velha tratou de me arranjar uma camisa mais 'à homenzinho', pois queria que eu fosse mais arranjadinho e de gravata ao pescoço... o que me causou uma impressão tremenda, dado lembrar um pouco as cordas que se preparavam para enforcar os 'mauzões' nos filmes de sheriffs, cowboys e bandidos, que costumava ver no Teatro Dona Maria Pia, com o beneplácito do bilheteiro, o Senhor Emílio, ou dos porteiros, os senhores Totó e João 'Alemão', que sempre arranjavam forma de nos conseguir aquele papelinho mágico que  nos permitia ir sonhar com as planícies americanas lá no alto das galerias ou do 3º. Balcão.
Manhã cedo, a barriga com um friozinho incomodativo que era prenúncio de estar a chegar a hora em que se ia verificar se o Professor Guimarães tinha preparado os seus rapazes a preceito, lá comparecemos na Escola, aguardando impacientes que o tormento começasse, para terminar logo com a angustia do exame.
 
De repente, o Professor Crespo começou a chamada e nós fomos direitinhos ao cadafalso que a cada um estava destinado... que é como quem diz, à carteira onde nos teremos de sentar para receber as instruções relativas à prova, o preenchimento da capa da folha de ponto, depois de lhe fazer a margem de acordo com o que nos foi dito para fazer.
A aritmética não oferecia grandes dificuldades, tal como a geometria. O ditado era de uma lição subordinada ao tema 'Os livros',  bastante  conhecida do Livro de Leitura. A redação foi sobre o mesmo tema do ditado.
Desde logo me pareceu ter corrido mal, porque estava realmente bem preparado. Fiz a oral sem problemas de maior, a exemplo do que tinha acontecido com a escrita. Foi examinado pelos Professores Manuel Afonso, Guerra e Crespo. O Professor Fernandes apenas  nos orientou  na preparação da prova escrita, mas a sua presença, com o seu sorriso cheio de bondade, era um bálsamo para todos nos.
Por este tempo, há muitos anos atrás, concluí a fase 'infantil' do meu percurso de estudante, mas jamais consegui esquecer que foram os meus professores e examinadores que me deram a noção exacta do que vale o saber ler, contar, ver, escrever, interpretar o valor da aprendizagem na formação integral da criança que era, do jovem que fui e do homem em que me tornei.
Comecei o meu percurso na avenida Marquês de Pombal, no Jardim Escola João de Deus, fazendo depois a escolaridade em Santo Estevão. A 'Escola Nova', hoje 'Amarela', fui onde mostrei não ter sido em vão a passagem no Jardim Escola, com a curiosidade de ambos os estabelecimentos de ensino se situarem na  Avenida Marquês de Pombal.

NO MUNDO ASSIM...

NO MUNDO  ASSIM...
era bom viver nesta terra... bonita!