segunda-feira, 21 de abril de 2014

TEMPOS PASCAIS... DE ONTEM E DE HOJE

Quando era criança, recordo-o com saudade, ansiava pela chegada da Páscoa, porque os folares que as madrinhas davam aos seus jovens afilhados eram por demais apelativos, em nada consentâneos com a vertente religiosa da data, porque 'valores mais... doces... se levantavam.'
Quando se passava pela velha Rua do Barão de Viamonte, também conhecida por Rua Direita,  os olhos saltavam das órbitras ao contemplar a montra da 'Mercantil', que o senhor Marcelino tão pacientemente, e com um esmero inaudito, preenchia de maravilhosas amêndoas 'confeitas', que deixavam o ar perfumado com aquele cheirinho que se soltava das pequenas - e grandes - bolinhas coloridas, dos 'nenés' artísticos  das amêndoas com licor... uma tentação!
 
As árvores plantadas junto à Sé eram para nós, miúdos, uma indicação de estar a Páscoa para chegar, pois as velhas jacarandá enchiam-se de flores lilases... que caíam em profusão em dia de Sexta Feira Santa. Sempre achei premonitório o facto de serem flores lilás, assim como se fosse uma espécie de luto aligeirado porque Cristo tinha sido crucificado, morto e sepultado... mas o aligeiramento teria a ver com o facto de Ele haver ressuscitado!
Quem é miúdo não pensa muito nessas coisas, mas o tempo passa de forma inexorável... e então percebemos quão efémeros são os juízos que se fazem na infância e adolescência, porque ter alguém que nos quer tanto que  dá a própria vida por Amor ao Próximo deixa-nos pensativos... talvez porque nunca teremos pensado para além das amêndoas, do folar, do cheiro que perfuma o ar da Rua Direita e de todos os locais onde a Páscoa se faz olfactiva ou visualmente nas montras dos estabelecimentos, pois os jovens de todos os tempos dão pouca importância  a estas coisas de Deus e da alma,  porque não lhes adoçam a boca, dizem.
Na tarde de Domingo de Páscoa, na minha meninice, era uma alegria receber Cristo Crucificado, transportado pelo senhor Lima, o Sacristão da Sé, que acompanha o senhor Prior que anuncia, perante Aleluias, que Cristo Ressuscitou!
Lá está... vêm dizer a minha casa que Cristo Ressuscitou... mas trazem a imagem d'Ele pregado na Cruz! Nunca percebi bem o porquê, mas é tudo uma questão de fé... e as crianças andam a aprender o que é isso, para depois concluírem, adolescentes e jovens rapazes, que a Fé é algo que se não explica, pois é para ser vivida!
Mesmo assim, com toda a Fé do mundo vos digo
'CRISTO, NOSSA PÁSCOA, RESSUSCITOU DOS MORTOS E ESTÁ SENTADO À DIREITA DO PAI! ALEGREMO-NOS E REJUBILEMOS, PORQUE ATÉ NÓS CHEGOU A SALVAÇÃO!'

NO MUNDO ASSIM...

NO MUNDO  ASSIM...
era bom viver nesta terra... bonita!